sábado, 30 de outubro de 2010

Desejo e paixão nos filmes de Pepsi e Coca


Sábado é dia de cinema no Blog do Refri

Isso você já sabe. Todo sábado rola aquele papo de pipoca e refrigerante no escurinho do cinema. Mas hoje, a coisa ficou mais séria e a sessão está pegando fogo...de paixão. Começamos com este filme de Portugal, ora pois... A "rapariga" Monica se apaixona pelo "gajo" e liga para a mãe que atende: "Estou?". Aí começa aquela cascata universal de que ela vai ter que estudar até mais tarde - que toda filha conta e toda mãe finge que acredita. A menina até usa o inevitável "O que acontece?" e ela mesma responde em seguida - nada mais brasileiro... O filme de Coca-Cola é bem produzido mas, gostoso mesmo, é o sotaque lusitano. confira:

video


E já que o assunto é desejo, imagine você - um moleque com seus doze anos - e, de repente, aparece aquela gata com o corpo da Cindy Crawford, as sobrancelhas da Cindy Crawford e você descobre - estupefato - que é mesmo a Cindy Crawford bebendo uma Pepsi no posto de gasolina perto da sua casa. Mil coisas...

video

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Profissão Repórter revela: O Crush existe!













Tem cada refrigerante nesse continente...

Depois que o Caco Barcellos inventou o “Profissão Repórter”, resolvemos aderir a esta fórmula de sucesso e decidimos investir em novos valores. Para tanto, transformamos um economista e um marqueteiro em nossos “repórteres por um dia”. Em suas recentes viagens, eles fotografaram refrigerantes. Hoje o blog abre espaço para estes dois colaboradores ocasionais.

O economista Aloísio Campelo estava no Peru quando se deparou com uma geladeira lotada de Inca Kola. O comentário é dele: “Visitei diversos países da América Latina (sete para ser mais preciso). Esta foto foi tirada no aeroporto de Lima quando eu estava pegando um vôo da Avianca rumo a Bogotá. Você reparou que está ligeiramente fora de foco de propósito, né ? O que achei engraçado foi o texto “geladinha é mais gostosa”. A cor do refrigerante é impagável, parece Epatovis!”

Já o profissional de Marketing Rodrigo Cabral – que neste momento está na Nicarágua – percorreu, nos últimos dias, o Uruguai, Argentina, Chile, Bolívia, Colômbia, Venezuela, Panamá e foi subindo... Em cada país, ele fotografa alguns produtos e nos envia. Para nossa surpresa, o delicioso Crush está lá, inteirinho, no Chile, o país dos 33 mineiros (e do goleiro Rojas) – como gosta de lembrar o presidente Lula.

Marca Fullpower em novo segmento

Atuante na área de mídia impressa com sua revista dedicada a automóveis, a Fullpower decidiu abrir novas frentes e acelera no segmento de bebidas. A empresa está lançando no Salão Internacional do Automóvel, em São Paulo, o Fullpower Energy, bebida energética direcionada – para variar - ao público jovem e que pratica esportes. A bebida será vendida em supermercados e atacados.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

BBB 11 estreia dia 11 de janeiro


BBB: Baixarias, Beldades e Bial

A Rede Globo vai promover, no dia cinco de novembro, uma “chamada” dos patrocinadores do Big Brother Brasil 2010 - considerados anunciantes preferenciais - para que confirmem seu interesse na versão 2011 do reality show que estreia no dia 11 de janeiro. Serão cinco cotas nacionais, de R$ 16,9 milhões cada uma – 25% mais caras que em 2010. O patrocínio valerá para a TV e o portal Globo.com. Os “preferenciais” são Guaraná Antarctica, Fiat, Johnson & Johnson (Sundown), Niely e Unilever (Knorr). O total dos ganhos, somente com o patrocínio nacional, soma R$ 84,5 milhões.

Como já postado anteriormente, o formato prevê ainda ações de merchandising, degustações, espaços patrocinados no cenário, anúncios extras e maciça campanha de assinaturas de pacotes na TV paga. Para aumentar o faturamento, a emissora brasileira criou ainda uma plataforma 0300 e pacotes de torpedos para as votações do público. O serviço rende para a emissora cerca de R$ 4 milhões líquidos por paredão – o mesmo que recebe a operadora de telefonia.

Teste de sabor: Hey Song Sarsaparilla (APROVADO)

Hey Song Sarsaparilla é o nome de um refrigerante de Taiwan (país que os brasileiros já chamaram de Formosa). O produto é derivado de uma árvore existente nas florestas da América Central e na América do Norte. Com propriedades medicinais – contra a sífilis, artrite, menopausa, leptospirose, problemas menstruais e a psoríase, por exemplo - a videira foi levada para a Europa no século 16 e, de lá, para a Ásia. Curioso é que o xarope é extraído da raiz da árvore e não de suas folhas ou frutos. A raiz tem ainda propriedades diuréticas, dermatológicas, laxantes, expectorantes e purificadoras do sangue. A marca Hey Song existe em Taiwan desde 1925.

Nas lojinhas de produtos orientais em diversas cidades brasileiras, o produto é encontrado a um preço médio de R$ 3,00. Bem gelado, Hey Song Sarsaparilla tem sabor muito interessante. É bem doce e gaseificado. Aprovado!

De acordo com um estudo da consultoria Taiwan Beverage Industries Association, o mercado de não–alcoólicos naquele país vai muito bem com um consumo per capita superior a 120 litros. A Hey Song é líder de mercado que disputa com gigantes como Coca-Cola e Pepsi. O apelo patriótico é responsável pela participação no mercado, superior a 80%. O marketing agressivo é outro fator que expande as fronteiras do produto até a China. As raízes de sarsaparilla, antes de processadas, são amargas, pegajosas e têm forte cheiro. A planta é também usada na fabricação de cervejas.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Consumidor brasileiro leva gato por lebre...


A diferença entre diet e light e entre suco e néctar

O brasileiro não tem o hábito de ler os rótulos dos produtos e acaba comprando gato por lebre. Pesquisa da Kantar Worldpanel revela que somente 44% dos consumidores das classes A e B, 38% da classe C e 30% das classes D e E têm o hábito de ler as informações contidas nas embalagens. Na prateleira de sucos, por exemplo, a maior parte dos produtos contém a palavra “néctar” no rótulo. Isso porque para ser considerado “suco” o produto precisa ser uma bebida não fermentada, não concentrada, não diluída e obtida de fruta madura, sã e, ainda submetida a tratamento que assegure a sua apresentação e conservação até o momento do consumo. Já o néctar leva água, açúcar ou adoçantes e um percentual de suco. Os de pêssego e abacaxi têm 40% da fruta. Uva e laranja, 30%. O de maracujá, 10%. Estima-se que apenas 10% das bebidas prontas de frutas sejam consideradas “suco”. O restante é néctar ou refresco. Se lhe oferecerem o “néctar dos deuses” prefira o “suco”...

Os produtos “diet”, por sua vez, não contêm açúcar e precisam de registro da Anvisa. A exigência não se aplica aos produtos “light” – aqueles que apresentam redução de algum ingrediente, que pode ser o açúcar, o sódio ou gorduras. Proibido desde 1968 pela agência americana Food and Drug Administration (FDA), o ciclamato de sódio é um adoçante - cancerígeno - ainda largamente usado nas fórmulas de refrigerantes comercializados no Brasil com o rótulo “zero” como Coca-Cola e Pepsi. O Brasil está 42 anos atrasado.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Planeta Coke: em curto, médio e longo prazos


A estratégia da Coca-Cola para conquistar a Índia

A Índia é o lugar onde a Coca-Cola mais cresce no mundo. É um mercado estratégico. As afirmações são do VP de marketing da Índia e Oeste Asiático, o brasileiro Ricardo Fort. Há um ano, ele aceitou o desafio de deixar o Rio de Janeiro e o cargo de diretor de marketing Brasil para fazer um trabalho de estratégia do outro lado do mundo.

Em recente entrevista à Meio & Mensagem, o executivo destacou que este é considerado um mercado importantíssimo para as pretensões globais da empresa. Com 1,2 bilhão de habitantes, a Índia deverá tornar-se – segundo projeções - mais populosa que a China até 2030 - um mercado consumidor que não se pode subestimar. O desafio não é fácil: trata-se da população mais heterogênea do planeta, com acentuadas diferenças climáticas, geográficas, religiosas, sociais, culturais (189 idiomas) e demográficas.


No país, as marcas que lideram o mercado são Thums Up e Sprite. A Pepsi aparece com 13% e a Coca-Cola com 8% - mas deve-se considerar que a empresa se retirou do país por 16 anos – participação zero - por não concordar com exigências mercadológicas impostas em 1977 e somente revogadas em 1993. Ocorre que Thums Up e Sprite são do portfólio da Coca-Cola Company, o que dá mais de 50% do share naquele país. Em português claro: Os produtos Coca-Cola têm mais da metade do mercado.

Além da família, Ricardo Fort levou para o outro lado do mundo a experiência do mercado brasileiro – com algumas semelhanças e muitas diferenças do indiano. As estratégias para os próximos anos ele não confessa nem sob tortura mas revela que os jogadores de críquete e os astros de Bollywood são muito mais idolatrados que nossos craques de futebol ou nossas cantoras de axé. E que a publicidade até hoje feita com estes ídolos não é eficiente.

O território de trabalho de Fort inclui ainda Bangladesh, Butão, Ilhas Maldivas, Nepal e Sri Lanka.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Red Bull promove festival no metrô e Pepsi lança campanha como alternativa à marca líder

Red Bull promove festival de música no metrô

Só pra variar um pouco, a Red Bull vai promover um evento pra lá de original: o Red Bull Sounderground, o primeiro festival internacional de músicos de metrô que vai percorrer as cidades de Barcelona, Londres, México, Montreal, Moscou, Nova York, Paris e São Paulo. Na capital paulista, os 3,5 milhões de pessoas que usam diariamente o serviço poderão ouvir música da melhor qualidade entre os dias 8 e 12 de novembro em diferentes estações do metrô. Oito artistas paulistanos e outros das demais cidades – totalizando 20 – já estão escalados. E para ouvi-los basta comprar o bilhete da passagem.

O hábito de tocar música no transporte metropolitano não é muito comum nas capitais brasileiras mas é muito difundido nos metrôs europeus, não somente nas estações mas até mesmo no interior das composições. Curioso é que não haverá fonte de energia elétrica disponível para as apresentações nem serão permitidos instrumentos de percussão ou bateria. O festival tem incentivos da Lei Rouanet.

Entre os artistas com participações já confirmadas estão:
Les Maga (duo) – Guitarra/Seresta; Mustard and Custard (duo) – Violões/ Folk; Pedro Loop (solo) – Baixo elétrico/ Experimental; Vadim Klokov (solo) – Fagote/Erudito, instrumental; Vibrafone Chorão (trio) – Violão, pandeiro e xilofone/ Chorinho; Viviane del Pintor (trio) – 2 violões e violino / Folk, celta; Duo Benetiz (duo) – Violão e flauta/ Chorinho; Rafael Masgrau (solo) – Guitarra elétrica/ Hard rock instrumental.

Pepsi se apresenta como alternativa

Tem campanha nova da Pepsi no ar. E, mais uma vez, o conceito vem a reboque de sua principal concorrente. Para criar "Pode ser bom. Pode ser muito bom. Pode ser Pepsi", os publicitários da Almap BBDO inspiraram-se na atitude dos garçons e também dos consumidores quando o produto é oferecido como uma alternativa à marca líder: “Pode ser Pepsi?”

A campanha deverá durar dois meses e terá filme de 30 segundos nos intervalos da novela Passione e ainda ações nas redes sociais, mídia impressa, rádio, ponto de venda. O objetivo da ação é dobrar a consideração da marca Pepsi junto aos consumidores brasileiros. Como parte da estratégia, a Ambev deverá ampliar a produção e distribuição do produto.

sábado, 23 de outubro de 2010

Se beber não dirija...principalmente se estiver numa corrida. E mais: um dia sem notícia!


Um filme pra rir e outro pra pensar

A frase é conhecida por todos: "Se beber não dirija". E, ao volante, nem refrigerante. Como o sábado é dia de cinema no Blog do Refri, o jeito foi garimpar este engraçado comercial de 7 UP – refrigerante que, infelizmente, não existe por aqui. A produção mostra um piloto se deliciando com uma latinha do produto enquanto, do lado de fora, os demais pilotos aceleram pra valer.


video


No news, good news...?

Agora imagine um dia sem notícias. Por exemplo, o Blog do Refri não encontra nenhum assunto relevante sobre não-alcoólicos. Nada acontece. Sem terremotos, desastres, vulcões, nenhum caso de corrupção no país, nenhum engarrafamento, nenhuma guerra, nada de inusitado, nenhum conflito, ninguém morreu e as coisas estão exatamente como ontem. A ideia foi para uma campanha da BBC News que exibiu as imagens de seus apresentadores no momento em que sobem os caracteres e eles se mantém calados, olhando fixamente para a câmera. É muito interessante – e aflitivo também.

video

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Como estou dirigindo?















O segredo do 0800...

Pelo menos uma vez na vida todo mundo já teve a vontade de ligar para o serviço "Como estou dirigindo" e reclamar de um motorista de caminhão de refrigerantes ou de cervejas que cometeu alguma imprudência no trânsito. Quando alguém liga para o 0800 não está falando com a garagem da empresa, por exemplo, mas com um call center de atendimento profissional que encaminha a reclamação para os responsáveis dentro da empresa.

Pois este é um serviço em âmbito nacional que é prestado por uma terceirizada, como a Telequality Contact Center, por exemplo. O serviço 0800 Veículos - de telemarketing receptivo - foi criado com o objetivo de melhorar a qualidade de direção e comportamento dos condutores contribuindo para a redução do número de acidentes e da exposição negativa da empresa contratante.

Os operadores que atendem as ligações abrem um chamado registrando o fato ocorrido e enviam para a empresa contratante em tempo real (via e-mail e sistema). O serviço é contratado pela empresa cliente que paga uma mensalidade - pode chegar a apenas R$ 2,50 por veículo. O número das reclamações da Coca-Cola, por exemplo, é o 0800 0229345. A Piraquê atende no 0800 0256161.


Sanduba com refri

O Bob´s e a Coca-Cola lançaram esta semana a promoção Trio Copão em todas as 713 lojas da rede de lanchonetes no Brasil. Para divulgar a ação, a agência NBS criou uma campanha que inclui anúncios na TV aberta e material no ponto de venda. O objetivo da rede é aumentar em 10% as vendas da categoria sanduíche após o lançamento da campanha.

Amanhã tem dois filmes bem legais aqui! Não perca!

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Eleições também valem para refrigerante e quando o açúcar atrapalha o crescimento...



Concurso Sprite ainda está valendo

Até o dia 24 de outubro você pode dar seus votos na promoção “Sprite Refresque suas ideias” que vai escolher desenhos que irão ilustrar as latas do produto ao longo do próximo ano. O William Candido entrou no concurso e pede que votemos na peça que ele criou. Para tanto basta entrar em http://refresque.sprite.com.br/arte/212258 e votar quantas vezes quiser. O Blog do Refri já foi lá e confirmou seu voto. Vamos dar uma força para o amigo que está sempre aqui conosco. Ele é estudante de Design e conta com o nosso esforço democrático.

As 30 artes mais votadas ganham um Xbox 360 customizado. Uma comissão julgadora escolherá as quatro melhores para serem as próximas latas de Sprite. Você pode ver outras criações do William Candido clicando abaixo:

http://images.orkut.com/orkut/photos/OgAAAB6Pgoa1hBd2Eu5EeGYw2Fx_Gq8cXxKs281ZVjTDQFUgPtjeFnogJV4qc3nt9YJp5hnN1H6jGjmXedn_4eOQvNQAm1T1ULpRwPFlX6y1Fta-mU7aofAbUnSY.jpg

Coca cresce mas lata e açúcar atrapalham

A Coca-Cola Company está exultante com os resultados da empresa no último trimestre terminado em 1º de outubro – o 26º de crescimento consecutivo. No período, o crescimento global foi de 5% e, no Brasil, foi de 13% em relação a igual período em 2009. Em entrevista ao Valor, o VP de Comunicação no Brasil, Marco Simões, disse que o resultado poderia ter sido melhor não fossem as dificuldades oriundas do crescimento – referindo-se à alta do preço do açúcar e a falta de latas.

A participação da empresa no mercado nacional também cresceu no período, de 55% em junho para 58,3% em setembro. Simões atribui o aumento aos novos consumidores que ascenderam socialmente.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Oktoberfest no país do suco de laranja


Oktoberfest menor consome mais


Mesmo com um público 22% menor que no ano passado, a Oktoberfest 2010 já consumiu, relativamente, cerca de 25% mais de bebidas e refeições que no ano anterior. A venda per capita de chopp subiu 26%, de refrigerantes 25% e de comida cresceu 14%.

As 395 mil pessoas que passaram pela Vila Germânica, em Blumenau, consumiram mais de 386 mil litros de cerveja – o equivalente a 0,97 litro per capita, número muito próximo do que se bebe na festa original em Munique, na Alemanha, onde o cálculo é de um litro por pessoa. A previsão é de que 600 mil pessoas participem da festa que vai até domingo (24 de outubro). O número estimado anteriormente era de 800 mil pessoas.

Suco de laranja: investimento líquido e certo

Em época de dólar em baixa – apesar das artimanhas do ministro Mantega para valorizar a moeda americana frente ao Real – o investidor fica pensando qual seria a melhor aplicação. O Blog do Refri entra nessa briga para dar uma dica: suco de laranja. Isso mesmo. A valorização do suco de laranja nos últimos dois anos resultou no crescimento de 25% das exportações da commodity. As vendas ao exterior do produto – nas versões concentrado e não-concentrado – deverão atingir os US$ 2 bilhões em 2010 superando os US$ 1,6 bi no ano passado.

Estudo do Centro de Pesquisas Markestrat aponta o domínio das exportações brasileiras no cenário internacional, com 85% dos embarques globais. Ou seja, o país é senhor quase absoluto no segmento. E para sorte dos produtores brasileiros, o consumo interno é ainda maior. O suco de laranja é responsável por 230 mil empregos diretos e indiretos e por R$ 189 milhões em arrecadação de impostos. São 165 milhões as árvores que produzem laranja no Brasil.

Vai um suquinho de laranja aí?

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Rede Globo fatura com esportes e carnaval


Patrocínio na Globo passa do bilhão

Passa de R$ 1 bilhão o faturamento da Rede Globo com a venda de patrocínios de três dos seus principais pacotes: Futebol, Fórmula 1 e Carnaval. Além dos reajustes nos preços de tabela (15,5%), a emissora abriu uma cota a mais em cada projeto, o que proporcionou uma alta de 35% em relação ao que foi faturado no ano passado. A informação é da MM Online. Com isso, o caminhão de grana vai para o Jardim Botânico com R$ 1,24 bilhão contra os R$ 922,5 milhões do ano anterior. Instituições financeiras, operadoras de telefonia e a indústria estão entre os principais patrocinadores dos eventos em 2011.

O pacote mais rentável será o futebol que trocou cinco cotas de R$ 116 milhões por seis de R$ 134 milhões. Ambev (cervejas), Casas Bahia, Coca-Cola, Itaú, Vivo e Volkswagen são os patrocinadores. O Top de cinco segundos foi comprado pela Olympikus por R$ 42 milhões.



Concorrência faz bem aos negócios

Concorrência se caracteriza pela disputa entre instituições por um determinado objetivo. Assim como a Apple e a Microsoft, ou a Coca e a Pepsi, a concorrência traz benefícios para o consumidor, pois proporciona, entre outras coisas, inovação e melhores preços.

A corrida espacial entre americanos e russos rendeu uma série de inovações tais como a comida desidratada, a comunicação por satélite e o velcro, por exemplo. Na tentativa de levar algo que escrevesse na gravidade zero, os americanos investiram milhões numa caneta que anulasse o efeito. Já os russos preferiram levar um lápis! E se rabiscar é preciso...

Tradicionais fabricantes de lápis, Staedtler e Faber Castell mantêm uma disputa que começou no século 19. A primeira faz, ainda este ano, 175 anos. A outra completará 250 anos em 2011. As duas disputam o mercado, literalmente, na ponta do lápis. Um alerta: não convidem os diretores destas duas empresas – Axel Marx e Von Faber Castell - para tomar um refrigerante ali na esquina. Se o mercado de refrigerante é disputado – desculpe o óbvio - com todo o gás, o de lápis é na base do pau e da pedra – de grafite...

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Craque pisa na bola mas mantém pé de meia


Rooney ainda é garoto-propaganda da Coca-Cola


O recente envolvimento do jogador do Manchester United em um caso de adultério durante o período de gravidez de sua mulher - Coleen Rooney - foi determinante para a suspensão de uma campanha publicitária, mas não do contrato milionário que o craque mantém com a Coca-Cola. A informação é da Canadean Liquid Intelligence. A imagem de Wayne Rooney não vai mais aparecer – este ano - em milhões de latas e garrafas de Coca-Cola Zero.

Em breve comunicado, a empresa disse apenas que alterou os planos de marketing por não achar apropriado, no momento, usar a imagem do atleta em suas embalagens. Mas a companhia alerta que o contrato de £ 500 mil – o equivalente a R$ 1.341.680,00 no câmbio atual - continua valendo. Rooney também conta com os patrocínios da Nike e do fabricante EA Sports.


Refrigerante contra o câncer

Pesquisadores do laboratório farmacêutico Eli Lilly descobriram que pequenas doses do refrigerante Sprite Lima/limão – comercializado em alguns países – aumentam a capacidade de absorção de certos medicamentos contra o câncer. Estudo publicado no Molecular Pharmaceutics Journal da American Chemical Society demonstrou que a combinação do refrigerante com o medicamento Captisol é eficaz na regulação da acidez do estômago favorecendo a melhor absorção de drogas anti-câncer.

sábado, 16 de outubro de 2010

Tio Sukita sofre na mão da sobrinha

Sábado é dia de cinema, refrigerante e pipoca...


Se tem um personagem que sofreu na publicidade brasileira, esse alguém foi o Tio Sukita - interpretado pelo ator Roberto Arduim. O tio era um pateta que tentava "chegar" na vizinha - a modelo Michelly Machri - quase trinta anos mais nova. A campanha da Brahma, em 99, fez muito sucesso e rendeu três filmes: Todo mundo se lembra logo daquele filme em que o tio encontra a sobrinha no elevador - que você já viu aqui na postagem de 25 de junho (http://blogdorefri.blogspot.com/2010/06/lembra-do-tio-sukita-olha-ele-aqui.html ).

Os outros dois filmes, "Festinha" e "Excursão", mantém como mote a saga do quarentão que tenta parecer mais jovem mas que sempre quebra a cara diante da vizinha-princesa e sua inseparável Sukita. Estes dois filmes também foram exibidos na TV - e são engraçados - embora "Elevador" tenha sido o mais marcante. Assista agora e divirta-se:

video

Olha o outro "mico" do tiozinho:

video

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Lançar produtos na terra e no idioma dos outros pode ser perigoso... E engraçado


Certas coisas não se traduz

Os sites Article Alley, Ideas Wise e Colgate Toothpaste – entre outros - publicaram interessante artigo do redator freelancer Peter Wise sobre as perigosíssimas traduções de textos de publicidade em campanhas mundiais. O autor descobriu mancadas terríveis e resolveu listá-las. Resultado: são vinte pecados contra o idioma natal de diferentes mercados deste planeta.

Selecionamos algumas gafes: A Clairol desistiu de lançar na Alemanha a sua prancha para cabelo “Mist Stick” depois de descobrir que a tradução de “Mist” em alemão era “excremento”. Uma nova marca de creme facial, batizada de “Joni”, teve de mudar de nome para seu lançamento na Índia. Na terra dos “tuc-tuc”, “Joni” quer dizer o órgão sexual feminino.

A Pepsi também sofreu. E foi na China – com aqueles caracteres impossíveis. O tradutor local pegou a frase "Come Alive with the Pepsi Generation" – algo como “Viva a Geração Pepsi” - e aprontou essa: “Pepsi traz seus ancentrais de volta de seus túmulos". Na Itália, a Água Tônica Schweppes virou Água de Toilette Schweppes. Ninguém bebe um negócio desses...

Já a Colgate americana fracassou no lançamento na França do produto “Cue” que é o nome de uma revista pornográfica muito conhecida em Paris. Mas não para por aí. A Electrolux europeia tentou lançar um aspirador de pó nos Estados Unidos com o slogan: “Nothing sucks like an Electrolux". Precisa traduzir?
Não perca amanhã: mais filmes com o Tio Sukita!!!

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Coca e Pepsi aprontam na Espanha


Na Espanha: Pepsi e Coca abusam da criatividade

A Pepsi da Espanha propôs a inclusão no idioma da palavra “berraco”. O pedido foi encaminhado à Real Academia da Língua Espanhola. “Berraco” é uma gíria equivalente a “pilhado” em português do Brasil. A iniciativa faz parte da campanha pró-linguagem de rua ”Pesihablantes” que permite, por exemplo que o jogador de futebol Fernando Torres chame o produto de “Pesi”. A academia ainda não deu resposta ao pedido. Nossos vizinhos argentinos têm o hábito de chamar o produto de “Pecsi”.
Depois de anos lutando para associar sua marca ao conceito de felicidade, a Coca-Cola identificou, na Espanha, que a marca está identificada com esse estado de espírito. Objetivo alcançado, a empresa criou o Instituto de la Felicidad que promoverá nos dias 19 e 20 deste mês, em Madri, o 1º Encontro Internacional sobre o tema. O evento vai reunir atletas, políticos, intelectuais e também Lyongpo Jigmi Thingley, primeiro-ministro do Butão, país onde existe um índice oficial da felicidade. O valor arrecadado com as incrições será doado para a Fundación Pequeño Deseo.


Rei do Mate quer crescer até a Copa de 2014

O grupo Rei do Mate pretende aumentar seus domínios. Com mais de 30 anos de reinado, a empresa que tem sede – esse nosso idioma! - no bairro de Pinheiros, em São Paulo, tem planos para a Copa do Mundo de 2014. Das 291 lojas atuais em 16 estados brasileiros, a meta é balançar a rede e chegar às quatrocentas quando a bola começar a rolar. Para as Olimpíadas de 2016, o objetivo será superar a marca das 500 lojas.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

É dura a vida de blogueiro: bebe-se cada coisa...


Teste de sabor: Chá com gelatina

Grass Jelly Drink é uma bebida produzida na China pela Taisun. O produto foi alvo de uma degustação pelo Blog do Refri. A latinha de 330 ml do chá da fruta lichia pronto para beber - com muitos pedacinhos de gelatina – foi aberta gelada e oferecida a três integrantes da família do editor. Ainda bem que são pessoas tranquilas e unidas. Se fosse um grupo mais tenso ia ter gente saindo no tapa...

Para o nosso gosto ocidental, o produto não é mesmo grande coisa e beber o chá com os pedacinhos de gelatina dá a sensação de que peixinhos vivos estão habitando o espaço entre a língua e o céu da boca. O consumidor só tem duas opções para se livrar da estranha sensação...

O editor – que gosta de experimentar tudo – bebeu um copo inteiro. Mas não foi nada sensacional. A mulher e sócia não passou do primeiro gole: “parece gelatina de lavanda Johnson’s misturada com chá sem açúcar”. A filha de sete anos acompanhou a ideia: “Isso é gelatina de perfume com sabonete e limão”. Já o sogrão – que não recusa nem sopa de pedras – disse que não beberia novamente aquele suco de sabonete. A não ser que os ditadores chineses o obrigassem.

Para quem gosta de viver perigosamente aqui vai a dica: a latinha do chá de gelatina custa R$ 2,50 e é encontrada em lojinhas de alimentos orientais – muito comuns no bairro da Liberdade, em São Paulo, e em Laranjeiras e Flamengo, no Rio. Se resolver experimentar, que seja um ato isolado. Mantenha o produto longe do alcance das crianças. E das pessoas de bom gosto.

Pedacinhos de gelatina dão sensação especial à degustação do produto chinês

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Produtos com nomes estranhos. Existem?



O pequeno detalhe que faz a grande diferença...


Deve ser muito difícil entrar no mercado brasileiro com um nome que cause estranheza aos nossos ouvidos. Uma importante instituição financeira alemã, por exemplo, jamais emplacou por aqui. Também, com o nome de Bundesbank, quantos clientes estariam dispostos à gozação? Certas marcas de automóvel devem sofrer para “emplacar” nomes mundiais como Picasso, Picanto e Chana. E, engraçado, a despeito do machismo brasileiro, ou talvez por causa dele, os dois primeiros foram absorvidos sem maiores problemas pelo consumidor. Mas, justamente a terceira – a chinesa – é a que mais rejeição tem. Nos anos 70, quem sofreu foi o Ford Pinto – que teve fraco desempenho por aqui. De vendas, quero dizer.

Para evitar transtornos desse tipo, a marca Sony – me disse certa vez o saudoso professor Valladão, de marketing da UFF - somente foi adotada pela Tokyo Tsushin Kogyo, do empresário Akio Morita, depois de um levantamento mundial. Os caras tomaram o cuidado de ver o significado de Sony em cada canto do planeta e em nenhum lugar o nome gerou qualquer desconforto, sendo adotado em seguida.

Quando virou notícia no mundo todo, o mafioso italiano Tommaso Buscetta trouxe problemas para os apresentadores de telejornais no Brasil. O jeito foi inventar o “Busqueta” embora a pronúncia fosse mesmo outra. E quando a seleção brasileira joga contra a do Peru? O locutor sofre: expressões como “não dá mole”, “endurece”, “cresceu no primeiro tempo mas se encolheu no segundo”, “tá jogando duro”, “joga pelas pontas”, “adotou a tática de penetrar pelo meio” são inevitáveis. Se vira, Galvão Bueno...


O Picanto da Kia coreana ao lado do americano Ford Pinto e o mafioso italiano

O atento amigo Marco Antonio – de Jundiaí – me sugeriu esta pauta. Ele descobriu no mercado japonês o chá pronto para beber, vendido em latas, da marca “Sokenbicha”. E ele alerta: “Esse nome é politicamente incorreto no Brasil!”. É mesmo, e em dose dupla.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

As aparências enganam...



Não-alcoólicos estão em todos os lugares. Não acredita?

A água, o suco, o chá e o refrigerante são itens que estão presentes em nosso dia a dia. Não tem como passar 24 horas sem algum deles. Expressões como “vou te dar uma colher de chá”, “essa Coca é Fanta”, “desta água não beberei”, “eu sou puro suco”, “tempestade em copo d’água”, “geração Coca-Cola”, “chá de cadeira”, “é hora de a onça beber água”, “se a vida lhe der um limão faça uma limonada”, são alguns exemplos desta realidade.
As bebidas não-alcoólicas – suas marcas, garrafas e tampinhas - são um sucesso na música (vide Renato Russo), na pintura (vide Andy Warhol), no artesanato (como vemos na foto acima e em outras matérias postadas aqui) e também no cinema. Na semana passada, foi comentado aqui o consumo de um refrigerante indiano em cena no filme “Comer, Rezar, Amar”, com Julia Roberts. Em outro filme em cartaz, “Nanny McPhee 2”, de Emma Thompson, o refrigerante também está presente numa cena. A mãe das crianças promete – e cumpre – uma rodada de refrigerante numa Inglaterra em pleno racionamento provocado pela Segunda Guerra.
"Geração"de Renato Russo / Refrigerante de Andy Warhol / A feia Emma Thompson

E o que parece uma mesa comum é, na verdade, uma miniatura – as aparências enganam - de uma peça artesanal da feirinha de domingo da Praça Edmundo Rego, no bairro do Grajaú, na zona norte do Rio de Janeiro. Compare a foto ao alto e a foto abaixo e veja a mesma peça – que parece bem maior no primeiro clique.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Santo de casa faz milagre!

Tão famosos quanto o chimarrão os refrigerante Fruki são uma tradição no RS


Consumidor tem o hábito de preservar os produtos regionais


Uma pesquisa do Grupo Troiano de Branding tenta decifrar o segredo do sucesso de algumas marcas fora do eixo Rio-São Paulo. Ao contrário do que se deveria esperar em tempos de globalização, marcas locais desbancam as internacionais e mais famosas e respondem por 34% do faturamento do comércio em diversos segmentos, segundo a Nielsen.
Em palestra recente, Jaime Troiano destacou o carisma das marcas regionais. Para ele, alguns fatores contribuem para a construção da força das marcas regionais:
a- o Apartheid Mercadológico - que pode ser traduzido como a visão distorcida que o Sul Maravilha tem do resto do País;
b- o Segredo Logístico - a proximidade entre produção e consumo;
c- a preservação da Identidade e Cultura Locais - entre outros fatores.

Entre os cases de sucesso citados pelo especialista estão o carioquíssimo Biscoito Globo (com somente dois sabores e um único canal de distribuição), os biscoitos e rosquinhas Aymoré, presentes em 99% dos lares mineiros; e ainda a Drogaria Araújo (MG), as fraldas Sapeka (GO), o guaraná Jesus (MA, comprado pela Coca-Cola) e "last but not least" os biscoitos e massas Vitarella (PE), entre outros. O Blog do Refri lembra ainda o pão de forma Plus Vita (RJ) e o Guaraná Fruki (RS).
É importante destacar que esse fenômeno de fidelidade às marcas locais não é um privilégio do consumidor brasileiro. Recentemente, postamos matéria sobre o mercado indiano que demonstra comportamento semelhante.

"Xavecos" e "cantadas" em comerciais de refrigerantes


Comerciais mostram diferentes jeitos de "chegar"

Nas variadas culturas em todo o mundo tem uma coisa que muda muito pouco. É o jeitinho para se aproximar daquela pessoa interessante. Todo mundo já passou por isso. Os paulistas chamam de "xaveco" (com xis) e os cariocas e gaúchos de "cantada". O importante é saber "chegar" e aproveitar a oportunidade para "desenrolar a coisa".

Os dois comerciais que selecionamos para este fim de semana - para você assistir bebendo seu refrigerante favorito e comendo uma pipoquinha - tratam de como mandar o recado. O primeiro mostra um "xaveco" na China. O cara simula uma chamada de telefone celular e em chinês diz para a moça: "É pra você". Nem precisa saber mandarim - o idioma local - para entender a "jogada" do rapaz. Confira:

video


Neste segundo, rodado no Paquistão, muda a marca do refrigerante, mas a intenção permanece a mesma. Vai dar namoro - depois que ele se recuperar da queda, claro:

video

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Embalagem de vidro polui mais que alumínio!!!



Pegada de carbono é assunto do dia

Colunista de economia do IG, o jornalista Guilherme Barros informa que a consultoria britânica Carbon Trust – especializada em consumo racional e meio ambiente - tem números surpreendentes sobre o impacto ambiental das diferentes embalagens de refrigerante. Segundo recente estudo, por incrível que pareça, a garrafa de vidro consome mais gás carbônico que a latinha de alumínio (antigo vilão antes de sua reciclagem tornar-se habitual).

A pegada de carbono de uma lata de alumínio de 330 ml - vendida na Grã-Bretanha - é de 170 gramas. Já a garrafa de vidro (330 ml) – ao longo de seu ciclo de vida, deixou um rastro de 360 gramas de carbono. Como o conteúdo é o mesmo, a diferença ficou na embalagem. Além disso, o estudo da Carbon Trust mostrou que a reciclagem pode reduzir a "pegada" em até 60%.

O estudo será apresentado hoje em seminário voltado para discutir a sustentabilidade do ciclo de vida de latas de alumínio para bebidas. No evento, em São Paulo, será divulgado um outro estudo sobre o impacto ambiental das embalagens feito pela Aluminum Association, dos Estados Unidos. A organização é da Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade (Abralatas).

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

A bola vai rolar e a grana também!


Globo escala seus patrocinadores

Em 2011, o “Futebol da Globo” terá seis patrocinadores. As cotas nacionais foram compradas pela Vivo, Casas Bahia, Ambev, Volkswagen, Itaú e Coca-Cola. A vinheta com o top de cinco segundos ficou com a Olympikus. As marcas serão expostas em 95 partidas ao longo do ano em disputas como campeonatos estaduais, brasileiro e jogos internacionais. O futebol é comercializado na emissora há 21 anos e tem grande impacto no mercado publicitário brasileiro.


California "legalize"...


A American Medical Marijuana Association, uma clínica médica da Califórnia, está comercializando uma bebida gelada aromatizada com cannabis. Isso mesmo. A bebida é vendida como uma alternativa aos tratamentos que permitem o consumo de maconha e seu uso somente é liberado aos que têm prescrição médica. A bebida é oferecida em três – digamos – versões: Banannabis Foster (com banana), Straw-Mari Cheesecake (com morango) e TRIPle Chocolate Brownie ("viagem" de chocolate). A bebida é comercializada em copos de 500 ml vendidos a US$ 15 – o equivalente, no câmbio de ontem, a R$ 25,97. Poxa, com esse preço... Deixa pra lá.


Coca "Zero" para Wayne Rooney

O atacante do Manchester United acaba de perder parte do contrato que mantém com a Coca-Cola. A imagem do craque não vai mais aparecer nas latas e garrafas do produto em 2011 - como estava anteriormente previsto. O inglês se envolveu num escândalo conjugal ao procurar prostitutas durante a gravidez de sua mulher, Coleen. Tremenda "bola fora". Em nota oficial, a Coca-Cola anunciou a revisão de sua estratégia de marketing. Um jeito delicado de dizer que não trabalha com quem "queima o próprio filme"...

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Quando publicidade e arte se misturam...


Canudos melhoram a fachada...


A agência de publicidade MacLaren McCann do Canadá criou este outdoor para quebrar a rotina da paisagem (!) e colocou canudos saindo das garrafas de refrigerante. A peça foi criada pela dupla Sean Davison e Robert Kingston, como fotos de Frank Hoedl. O blog “I Believe in Advertising” publicou todas as fotos da campanha.

Receita da Schin para aumentar flexibilidade: demitir funcionários...


O grupo Schincariol demitiu, na sexta-feira (1º de outubro), 130 funcionários administrativos da sede em Itu, no interior de São Paulo. Esta é a segunda “barca” em dois anos – em 2008 foram 270 os demitidos. Os desligamentos, segundo nota oficial, foram em nome da “otimização da estrutura corporativa para aumentar a agilidade, a autonomia e a flexibilidade” da empresa”. Então tá. Para ganhar agilidade, autonomia e flexibilidade o Blog do Refri sugere a prática de esportes: isso sim “otimiza a estrutura”...

Em Tempo: "otimizar"(!?) ... Fala sério!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

“Comer, rezar, amar” e beber refrigerante...

A atriz com Javier Barden: o filme é rodado nos EUA, Itália, Índia e Indonésia

Julia Roberts e o "polegar pra cima"


No filme “Comer, rezar, amar” – em cartaz nos cinemas do país - há uma cena curiosa de consumo do refrigerante indiano Thums Up. Julia Roberts comenta que o produto é cinco vezes mais doce que qualquer outro refrigerante. Thums Up é o mesmo que “Thumbs up”, aquele sinal de positivo que fazemos com o polegar para cima. Na Índia, é uma das marcas de refrigerante mais consumidas no país e integra a linha de produtos da Coca-Cola Company.

A marca foi comprada pela Coca-Cola em seu reingresso à Índia em 1993 – a companhia deixara o mercado em 1977 por não concordar com mudanças na legislação sobre a regulação de indústrias estrangeiras no país. A princípio, a empresa de Atlanta pretendia acabar com a Thums Up mas logo percebeu que o produto - maior patrocinador dos jogos de cricket naquele país - serviria como arma na guerra contra a Pepsi, num mercado de 1,1 bilhão de pessoas.

Importante: se o gesto de levantar o polegar para cima tem conotação positiva em países como a Índia e o Brasil, o mesmo não se pode dizer da Austrália, onde tem significado chulo e ofensivo. Quando estiver na terra dos cangurus e do bumerangue não cumprimente ninguém levantando o polegar. Senão o Crocodilo Dundee te pega com aquele facão...

sábado, 2 de outubro de 2010

Sábado é dia de cinema (até mesmo na China)


Imagine a quantidade de pipoca para acompanhar o refrigerante


Pode parecer um comercialzinho inocente da marca de refrigerante mais famosa do mundo no país mais populoso do mundo, com seus mais de 1,3 bilhão de habitantes. Mas você sabe que não se brinca com dinheiro e publicidade. A coisa é séria. E o filme que você vai ver a seguir pode ser, por exemplo, um dos comerciais mais vistos do planeta - por motivos óbvios.

Detalhes da produção: veja como os ambientes são limpos, a cidade parece moderna e a fotografia do produto é irrepreensível - detalhe para o "suor" da garrafa...

video

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Consumidor busca prazer e sensações

Pesquisa revela conexões emocionais por novos sabores


O espectador assiste ao comercial de um novo produto – pode ser um refrigerante, uma cerveja ou mesmo um perfume. A sensação ao experimentá-lo deverá remetê-lo à situação prazerosa sugerida no anúncio. Este é o resultado de uma pesquisa sobre bebidas revelando que as respostas positivas a novos sabores estão condicionadas a associações emocionais. Em outras palavras: não adianta apresentar novos rótulos, conceitos ou embalagens sem trazer uma nova sensação.

Um exemplo recente disso pode ser a repaginada da Coca-Cola Light, produto que mudou a embalagem e conceito mas também o sabor, acertando em cheio no gosto do consumidor. De nada teria valido todo esforço sem trazer uma nova percepção, e para melhor. O estudo avaliou a reação de 216 pessoas e foi publicado na revista Food Quality and Preference estabelecendo novas conexões entre sensações positivas como alegria e bebidas com sabor sem adição de ingredientes ativos, informou a consultoria Beverage Daily.


Pakera no Rio...


O grupo Pakera vai investir no segmento dominado pelos refrigerantes H2OH! e Aquarius. O Hydric – sabor limão - ganhou um banho de loja, recebendo nova embalagem e visual. O produto é um refrigerante levemente gaseificado, de baixa caloria e sem adição de açúcar. Para o verão carioca, o fabricante espera vender cerca de 480 mil garrafas.