terça-feira, 20 de abril de 2010

Quem diria, o papa também adora um “refri”


Incrível pensar que o papa Bento XVI, do alto dos seus 83 anos - feitos no último dia 16 - tenha preferência por uma marca de refrigerante. Mas o fato é que tem. Joseph Ratzinger, que completa hoje cinco anos como o líder máximo da Igreja católica, adora Fanta. A informação é creditada a um porta-voz do Vaticano. O que parece mera piada ou especulação faz todo o sentido, afinal, tanto a Fanta quanto Ratzinger nasceram na Alemanha. O produto, no sabor maçã, foi criado pelo químico alemão Schetelig e lançado naquele país em 1942 - em plena Segunda Guerra Mundial - como opção do fabricante às restrições da importação do xarope de Coca-Cola, importado dos Estados Unidos antes do conflito.

A marca Fanta (de Fantasie, em alemão) teria surgido quando o chefe de operações do fabricante pediu aos funcionários que usassem de imaginação para criar um nome forte para o produto. Hoje, a Fanta é vendida em 187 países, em 16 diferentes embalagens e cerca de 90 sabores – ananás, framboesa, limão, maracujá, morango com leite condensado, laranja e uva são alguns deles. O Brasil é o maior mercado de Fanta Laranja em todo o planeta.

A marca mundial é tão popular que acabou absorvida pelo próprio idioma em diversos países. Na Espanha, por exemplo, são chamados de “pagafantas” os rapazes que não passam do primeiro encontro com as garotas. Ficaram somente no refrigerante...

Um comentário:

  1. Boa história! O blog está indo muito além de uma garrafa cheia de bolhas.

    ResponderExcluir